A erosão dentária é definida como perda irreversível da estrutura dentária, ocasionada por um processo químico sem envolvimento de microrganismos, desencadeado por ácidos de origem intrínseca e extrínseco. Os ácidos intrínsecos são aqueles oriundos do estômago em pacientes que apresentam anorexia, bulimia nervosa e problemas gastroesofágicos. A xerostomia também pode ter influência no aparecimento da lesão, devido a diminuição na liberação de saliva responsável pelo equilíbrio do pH (tamponamento dos ácidos). Já os ácidos extrínsecos incluem alimentos, bebidas, medicamentos e produtos ácidos.

         Foi realizado um estudo na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) da UNICAMP que mostrou que o consumo excessivo de frutas tropicais como camu-camu, araçá-boi, cupuaçu, taparebá e umbu, consumidas principalmente pela população do Norte e do Nordeste brasileiro, pode causar erosões dentárias.
         O estudo foi realizado com pedaços de dentes bovino que receberam em suas superfícies as frutas tropicais diluídas e foram avaliados a perda de esmalte da superfície dental, além de avaliar também o pH das frutas, foi verificado que as mesmas podem potencializar a erosão dentária devido ao baixo pH. Alguns voluntários foram orientados a colocarem uma quantidade de suco na boca e cuspir, então a saliva foi coletada para avaliação e apresentou bastante acidez. Segundos depois a saliva lava a boca e, ainda, repõe os minerais perdidos, mas os dentes já haviam sido acometidos.
         Segundo a orientadora da pesquisa Cinthia P.M. Tabchoutyosivo este experimento mostrou que os sucos têm potencial erosivo e foi constatado a capacidade da saliva neutralizar esses ácidos, mas mesmo com essa possível remineralização o esmalte dental pode ser acometido irreversivelmente quando o consumo dessas frutas é exagerado, e devido a essa divergência novos estudos devem ser realizados. A autora do trabalho, Adelsilene Veras reforça que entre as principais causas de processos erosivos no esmalte dental destacam-se os hábitos alimentares e comportamentais. Portanto, o paciente precisa ser informado e cuidado previamente na tentativa de minimizarem os problemas de erosão dental que além da perda de estrutura dental pode levar à episódios de hipersensibilidade dentinária.