A tecnologia nos proporciona cada vez mais recursos para nossas pesquisas, nosso trabalho e outras facilidades no nosso dia-a-dia. Muito bom, não é?

Mas existe um lado cruel dessa tecnologia- o cyberbullying, que apesar de não ser uma agressão física como muitas vezes é o seu “antecessor”, o bullying, pode ter efeitos muito negativos e gera cada vez mais vítimas, deixando marcas profundas e duradouras.

É uma violência virtual, que pode ser feita através do uso de e-mails, das redes sociais, como o facebook, instagram….onde comentários são feitos, boatos são criados,  imagens depreciativas são colocadas na rede, situações de assédio moral. A intenção é envergonhar, ameaçar, e a agressão é intencional.

CyberBullying-02-820px

Seu poder é muito grande, multiplicador, porque atinge um número enorme de pessoas, que compartilham as coisas com outras, tornando-se viral e trazendo, aos que o sofrem, um estrago real, que pode levar à depressão, ao trauma psicológico, ao isolamento social, à baixa auto-estima e pode chegar até mesmo ao suicídio. As vítimas sentem medo, raiva, se sentem fragilizadas e humilhadas.

Além disso, o agressor muitas vezes não é identificado, e por causa disso, ele se sente “poderoso”, e sem medo de fazer o que bem entender. É mais fácil ser cruel usando a tecnologia.  O efeito do cyberbullying é potencializado também por isso.

Como prevenção podemos orientar nossos jovens que se expõem demais, falar sobre ética, reforçar os valores morais e orienta-los a fazer denúncias. Os pais devem orientar sobre o comportamento online apropriado, que deve ser o mesmo do off-line.

O papel dos pais também inclui prestar atenção aos comportamentos dos filhos quando estão usando o celular ou computador, reações como ansiedade, sofrimento, nervosismo, por exemplo, e a qualquer mudança de comportamento deles.

O Cyberbullying faz parte da modernidade, mas deve ser denunciado. Os pais precisam garantir que seus filhos estejam e se sintam seguros. Eles devem saber que podem contar com os adultos se algo assim acontecer com eles.

Lêda Zoéga Parolo – Psicóloga e Coach de Saúde e Bem-Estar