O envelhecimento masculino é acompanhado de sinais e sintomas como:

– Diminuição da massa e força muscular,

-Diminuição da libido (desejo sexual) e pelos sexuais

– Disfunção erétil (impotência)

– aumento de gordura abdominal principalmente visceral (gordura localizada no abdome com pernas e braços relativamente finos), com resistência á insulina (diabetes ou pré diabetes),

– osteopenia,

– diminuição da performance cognitiva (lentidão de raciocínio, esquecimentos),

-depressão ou irritabilidade (chato, ranzinza),

– insônia,

– diminuição da sensação de bem estar geral.

O diagnóstico da deficiência androgênica no envelhecimento masculino (andropausa) deve ser baseado nos sintomas acima descritos e dosagem de testosterona abaixo de nível de jovens adultos. As vezes uma única dosagem de testosterona nos níveis normais não excluem o diagnóstico devido a variações cíclicas do hormônio.

. Usando como base homens de 40 a 70 anos, seguidos por 7 a 10 anos, há tendência de queda de testosterona total em 1,6% ao ano, testosterona biodisponível em 2% a 3% ao ano e aumento da globulina ligadora de hormônios sexuais em 1,3% ao ano. Assim estamos falando de uma patologia bastante frequente e muito subdiagnosticada.

O tratamento é individualizado. Em pacientes com prole constituída fazemos a reposição com testosterona bioidentica que pode ser administrada de diversas formas sendo as mais comuns com
Uso de gel transdérmico diário e injeção intramuscular periódica. Já nos casos que ainda desejam procriar temos a opção de utilizer medicações via oral e injetáveis para estimular o aumento endógeno da testosterona.

Atualmente, além de procurarmos longevidade, buscamos pela qualidade de vida e bem estar, ou seja o homem moderno deve amadurecer mantendo a virilidade, disposição, vigor, cognição e potência.

Dr.Marco Túlio Cavalcanti Filho – Urologista e Andrologista.