Tem gente que topa qualquer negócio para eliminar os quilinhos extras que resistem até mesmo a dietas e exercícios físicos. É justamente quando nada funciona ou não existe disposição que as famosas injeções antigordura (ou queima gordura) são lembradas para aplacar o desejo de ficar de bem com o espelho de uma vez.

As injeções antigordura (ou queima gordura) são opção para quem não consegue acabar com os pneuzinhos nem com ajuda de dietas e exercícios físicos

Elaboradas com enzimas que estimulam o metabolismo e a quebra das células de gordura, elas causam polêmica entre os especialistas e muitas dúvidas em suas possíveis adeptas. Por isso, confira como esse tipo de intervenção funciona e se vale ou não a pena fazê-lo, desvendando os mitos e verdades, listados a seguir.

 Injeções de enzimas secam gordura.
Verdade. Quando aplicadas diretamente na região desejada (abdômen, flancos, glúteos, culote ou pernas), elas são capazes de promover a redução das gordurinhas localizadas do corpo porque contam com enzimas (proteínas capazes de acelerar reações químicas) que têm efeito lipolítico, ou seja, são responsáveis por acelerar o metabolismo e facilitar a quebra de gordura estocada dentro das células, facilitando a sua eliminação pelo organismo. As mais utilizadas são a Thermoyalo (mistura de cafeína, silício e tiratricol), Lipoderme (que concentra lipossomas) eLipoayslim (feita à base de extrato de manga africana). Por isso, com aplicações realizadas duas vezes por semana, durante uma vez, a média de redução de gordura no local é de até cinco centímetros.

“As injeções também aumentam a circulação local, o que ajuda a tratar celulite, estrias e flacidez” afirma Adriana Braga, fisioterapeuta dermato-funcional e sócia-diretora da Beauté Clínica e Estética, de Ribeirão Preto, em São Paulo.

Os resultados são permanentes.
Mito. Essas substâncias não eliminam a célula gordurosa. Portanto, se a pessoa voltar a ganhar peso, é bastante provável que ela volte engordar na mesma região. Por conta disso, o tratamento deve ser associado a uma dieta adequada e à prática de atividade física.

É normal sentir dor durante a aplicação.
Verdade. Agulhadas são sempre dolorosas e, durante o procedimento, também podem causar inchaço, que é passageiro. “Os incômodos podem ser reduzidos com sessões de ultrassom e drenagem linfática manual”, aconselha a especialista.

As injeções são totalmente seguras e não têm efeito colateral.
Mito.
Se aplicados de maneira incorreta, com produtos e materiais inadequados ou proibidos, os coquetéis injetáveis voltados para a dissolução da gordura podem causar sérias lesões, como necrose (morte da célula) do tecido, de acordo com Adriana.

As aplicações das substâncias deixam a barriga definida.
Mito. As injeções agem apenas sobre as células gordurosas, murchando-as. Abdômen malhado, com músculos aparentes, é fruto do trabalho corporal localizado. Por isso, o resultado esperado deve ser uma barriga seca, mas não necessariamente definida.

Apenas fatores hormonais estão ligados à gordura localizada.
Mito Além dos fatores genéticos, a má alimentação e a falta de atividade física regular também podem influenciar o ganho de peso e, consequentemente, o acúmulo de gordura localizada. “Nas mulheres, ela costuma aparecer com mais frequência nos quadris, abdômen e glúteos”, afirma Adriana.

PURA VERDADE
Feitas com enzimas que aceleram o metabolismo, as injeções antigordura fazem a dissociação (quebra) da gordura estocada dentro das células, facilitando a sua eliminação pelo organismo e reduzindo medidas. Aplicadas duas vezes por semana, durante um mês, elas são capazes de diminuir até cinco centímetros. Além disso, as substâncias utilizadas no processo também aumentam a circulação do local tratado, ajudando a melhorar o aspecto de estrias, flacidez e celulites. Para ter acesso a todos esses benefícios, contudo, é preciso procurar um profissional especializado e associar o procedimento à prática regular de exercícios físicos e a uma alimentação adequada.