O parto natural é aquele que tenta ser o mais fisiológico possível, sem anestesia. Ele pode acontecer tanto em casa quanto no hospital.

Parto normal e parto natural são a mesma coisa?

Não. Parto normal costuma ser usado como sinônimo de “parto vaginal”. Quando se fala em parto natural, além de a via de parto ser a vaginal, se quer enfatizar que o bebê nasce sem intervenções médicas, como anestesia, analgésicos ou substâncias para acelerar as contrações.

Quais são as vantagens do parto natural?

Se você prefere ter o maior controle possível sobre o seu corpo, participar ativamente no nascimento do bebê e ter o mínimo possível de intervenções durante o parto, como o uso de monitoramento eletrônico constante, o parto natural é para você. 

O parto natural pode ser realizado no hospital, numa casa de parto ou em casa, desde que você encontre um médico que aceite acompanhar você.

Quando você opta por um parto deste tipo, você está aceitando a possibilidade de sentir dor e desconforto como parte do processo de dar à luz. No entanto, com a preparação e o apoio adequados, as mulheres que escolhem ter um parto natural costumam ter, no final, uma sensação de satisfação e superação profundas.

Aqui estão algumas das vantagens do parto natural:

 
    • A maioria das técnicas de parto natural não é invasiva, portanto a possibilidade de efeitos colaterais nocivos para você ou seu bebê é mínima.
    • Muitas mulheres sentem uma profunda sensação de força durante o parto, e de realização depois. Apesar da dor, muitas garantem que optariam de novo por ter um parto sem medicação. Para muitas mulheres, a sensação de ter controle sobre o parto e de saber o que esperar diminui a percepção da dor.
    • Durante o parto natural, não há perda de sensação, autonomia ou lucidez. Você tem mais liberdade de se movimentar e achar posições que lhe ajudem a ficar mais confortável durante o parto. Você também poderá participar ativamente quando chegar a hora de fazer força para o bebê nascer.
    • Comparando-se com as mulheres que tomam anestesia peridural, você terá menos probabilidade de precisar de outras intervenções médicas, como o uso do hormônio ocitocina para intensificar as contrações, a colocação de uma sonda urinária, ou o uso de fórceps ou extração à vácuo.
    • Seu parceiro pode participar com você no processo do controle da dor.
    • Você pode usar os exercícios de respiração, visualização e auto-hipnose tanto durante o parto como depois dele. Muitas mães aproveitam as mesmas técnicas de relaxamento aprendidas em preparação para o parto nos primeiros dias de amamentação, no período pós-parto e até nos momentos em que cuidar de um recém-nascido se torna estressante.

Quais são as desvantagens de não usar medicamentos para a dor?

      As técnicas naturais não eliminam completamente a dor, como o faz a anestesia peridural. Se você não está interessada em sentir e trabalhar com a dor, provavelmente ficará bem mais satisfeita se optar pela

anestesia,

       mantendo o parto vaginal.

 

      No caso de o parto se prolongar demais ou se complicar, a presença da dor pode colaborar para o seu cansaço e desconforto.

 

Como devo me preparar para um parto natural?

      Uma vez que você decida tentar o parto natural, precisará se preparar ativamente para isso. Você pode começar escolhendo um médico e um ambiente favoráveis a essa opção, fazendo muita pesquisa e conversando muito com quem já passou pela experiência.

 

 
      Você vai ter de armar um plano para o caso de haver alguma eventualidade no parto, esclarecendo a equipe médica de em quais situações aceitaria receber medicação contra a dor. É aconselhável se informar bastante sobre

 

       e descobrir com que técnica de relaxamento você se identifica mais.

 

      É possível ter um parto sem medicamentos em um hospital tradicional, mas será mais fácil evitar intervenções em um ambiente alternativo, como uma casa de parto ou até mesmo na sua própria casa. Existem maternidades, especialmente as públicas, que são mais propensas a proporcionar um parto natural (nem sempre por opção da mãe).

 

      Se você quer ter um parto natural em um hospital tradicional, tem de conversar com seu médico e ser bem específica quanto ao tipo de parto que gostaria de ter, além de descobrir quais são as intervenções de rotina no hospital escolhido e o que poderia ser feito para contorná-las.

 

      Alguns procedimentos, como a colocação da um acesso intravenoso, para administração de medicamentos ou soro direto na veia, e o monitoramento eletrônico constante tornam difícil a movimentação da parturiente. Isso dificulta, mas não impossibilita, controlar a dor sem o uso de medicamentos.

 

      Muitas mulheres preferem ter parteiras ou obstetrizes que possam orientá-las durante o parto natural. A parteira recebe treinamento especial para ajudar a mãe a ter um parto sem medicamentos, e normalmente fica com você durante todo o trabalho de parto, coisa que os médicos não costumam fazer.

 

      Outra profissional que pode lhe dar apoio é a “doula” (pronuncia-se “dôula”), cujo objetivo é proporcionar conforto físico e emocional para você durante a gravidez e o parto. Os planos de saúde já cobrem a presença da parteira/obstetriz, mas se você quiser a companhia de uma doula terá de pagar os honorários dela.

 

      Se o seu bebê vai nascer no hospital, uma enfermeira obstétrica ficará encarregada de você. Às vezes as enfermeiras conhecem técnicas naturais para controlar a dor, mas é impossível prever se quem cuidará de você saberá ou não ajudá-la nesse aspecto.

 

      Nem todos os hospitais permitem a entrada de doulas no centro obstétrico. Portanto, se você quiser levar uma, precisa se informar antes na maternidade.

 

      Um bom curso de preparação para o parto, que apoie o parto natural, pode ser útil para você ter contato com uma variedade de formas de controlar a dor, além de explicar direitinho tudo o que vai acontecer. Entender o desenvolvimento natural do parto e o que acontece em cada etapa vai ajudar você a apreciar o trabalho que seu corpo está fazendo, e a ajudá-lo em sua tarefa.

 

      Mesmo que você não esteja planejando ter um parto completamente natural, sempre é bom aprender o máximo possível sobre os métodos para controlar a dor, tanto de forma natural como através de medicamentos e anestésicos. A tensão e o medo tendem a ampliar a percepção da dor, e tudo o que você puder fazer para diminuir sua ansiedade certamente ajudará na hora do parto.

 

      Menos ansiedade pode até significar um parto mais rápido, já que um aumento nos níveis dos hormônios do estresse interfere negativamente na capacidade do seu útero de se contrair.

 

      Se você deseja ter um parto natural, também é importante lembrar que, por mais preparada, saudável e segura que você se sinta, sempre é possível que a natureza escolha outro caminho, já que o desenrolar de um parto é sempre imprevisível.

 

      Mesmo que agora você esteja determinada a lidar com as dores de parto de uma forma natural, talvez o mais importante de tudo seja estar aberta e disposta a trabalhar com as condições específicas do

seu

       parto à medida que ele se desenvolva. Isso também evitará uma desilusão, caso as coisas não aconteçam como você sonhou.

 

      Confiar no médico que acompanha você é uma das melhores formas de evitar decepções. Se você souber que foi feito todo o necessário para a sua segurança e a do seu bebê, ficará mais tranquila com a evolução do parto.

 

      Além da decisão de ter um parto sem medicamentos, não há regras específicas para o parto natural.