Hoje, o clareamento dental pode ser feito de várias maneiras e, apesar de muitas pessoas o fazerem com métodos caseiros, muitos pacientes optam por realizá-lo em consultórios odontológicos, nos quais a técnica é baseada na aplicação de um LED azul, em conjunto com gel de peróxido (água oxigenada concentrada).

Quando é aplicada nos dentes, a luz excita o gel, que libera substâncias responsáveis por quebrar os pigmentos que mantêm os dentes com aquele aspecto amarelado. “É mais seguro fazer o clareamento em consultório odontológico, porque nele se impede o contato do gel com os tecidos moles, como gengiva e bochecha. A interação do peróxido com esse tipo de tecido pode causar danos irreversíveis, como câncer”, explica Vitor Hugo, complementando que, atualmente, para concluir o processo de clareamento nos consultórios, os pacientes passam por até três sessões, com duração de aproximadamente quarenta minutos cada.

Existem vários estudos feitos por pesquisadores de outros países, como da Croácia e da Itália, que descrevem a potencialização da eficácia do clareamento através do uso de LED violeta associado à aplicação de gel de peróxido de hidrogênio ou de carbamida. Sabendo disso, ao ter aplicado apenas essa luz em dentes bovinos e humanos — sem o uso de gel — o pesquisador do IFSC notou que houve o processo de clareamento dental.