O Diabetes mellitus gestacional (DMG) é o DM diagnosticado pela primeira vez durante a gestação. Em geral, o diagnóstico é feito na segunda metade da gestação, a partir da 24a semana.

É muito importante que esse diagnóstico seja feito, pois o DMG aumenta o risco de aborto e complicações no parto, principalmente pelo tamanho exagerado dos bebês (macrossomia).

Os principais fatores de risco para o DMG são:

– idade maior 35 anos

– excesso de peso antes da gravidez (IMC >25) ou ganho de peso excessivo durante a gravidez

– antecedente familiar de DM

– feto muito grande para a idade gestacional

– hipertensão ou pré-eclâmpsia na gravidez atual

– antecedente de abortos de repetição, malformação fetal, macrossomia ou DMG em gestação prévia

– síndrome dos ovários policísticos

Todas as gestantes devem ser investigadas para o DMG, com dosagem da glicemia de jejum e curva glicêmica (dosagem da glicemia em jejum e 2h após ingestão de solução de glicose).

Pode ser tratado apenas com dieta e atividade física, mas, se for necessário o uso de medicações, o mais indicado é o uso de insulina. O quadro pode ser revertido após o parto.

O DMG não aumenta o risco de malformações fetais como no caso de mulheres previamente diabéticas que engravidam. Mas aumenta muito a chance de a mulher se tornar diabética ao longo da vida, além da maior probabilidade de que as crianças desenvolvam DM e/ou obesidade na adolescência e vida adulta.

Dra, Patricia Baines Gracitelli: Endocrinologista- CRM: 113018

Avalie este post