O Departamento de Hipertensão Arterial (DHA) da Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que os pacientes que fazem tratamento para pressão alta não deixem de tomar seus remédios mesmo em casos de infecção pelo novo coronavírus. Algumas informações divulgadas no início da pandemia apontavam que haveria possíveis interações negativas entre anti-hipertensivos e a evolução dos pacientes com a Covid-19. Mas, até o momento, não há comprovações científicas.

No entanto, muitos pacientes cardíacos deixaram de tomar seus remédios com medo de contrair o novo coronavírus e ter uma piora em seu quadro de saúde

“Recomendamos, com base nos dados atuais e levando em consideração a redução da mortalidade por doenças cardiovasculares: que o tratamento com IECA (inibidores da enzima de conversão da angiotensina) ou BRA (bloqueadores dos receptores da angiotensina) deve ser continuado ou iniciado de acordo com as diretrizes existentes, em pacientes com hipertensão, insuficiência cardíaca ou infarto agudo do miocárdio, independentemente se positivos para Covid-19”, diz o comunicado do departamento.

— O paciente não deve deixar de usar seus remédios. Caso precise fazer algum tipo de ajuste na medicação, deve marcar uma consulta com o seu cardiologista. Deixar de tomar o remédio pode fazer a pressão subir. Ela estando alta pode gerar complicações como derrame, infarto, insuficiência cardíaca. E, se o paciente está com coronavírus, um problema como este pode agravar o quadro, podendo causar um óbito — explica Audes Feitosa, cardiologista e presidente do DHA.

Estes remédios têm comprovação científica e são eficazes no controle de doenças cardíacas e, por isso, não devem deixar de serem tomados, exceto se a recomendação vier de seu próprio cardiologista.