O conceito do ciclo de vida familiar foi tirado da sociologia e envolve a noção de que ao longo do tempo , a família deve atravessar uma série de estágios previstos, separados por transições previsíveis.
Cada estágio será marcado por alguma mudança em algum membro da família (nascimento, morte, saída de casa etc ).
A família é a única forma de organização que incorpora novos membros apenas pelo nascimento, adoção ou casamento, e os membros só deixam de existir para esta organização através da morte de algum de seus membros, mesmo assim existirá na lembrança , na história da família .
Apesar das famílias possuírem papéis e funções diferentes , consideramos como seu principal valor os relacionamentos, que são insubstituíveis.
Se um dos progenitores for embora ou morrer, uma outra pessoa poderá preencher uma função paterna/materna, mas jamais substituíra o progenitor em seus aspectos emocionais.
As famílias desenvolvem-se de muitas maneiras , mas é importante lembrar que seus membros individuais estão também constantemente se desenvolvendo, biológica e psicologicamente, e essas áreas de desenvolvimento são afetadas e afetam o desenvolvimento da família .
O desenvolvimento adequado em todos os níveis é definido por valores e crenças sociais, que proporcionam as normas por meio das quais as famílias criam os filhos.
Os indivíduos desenvolvem-se e os relacionamentos florescem.
Podemos começar a falar que os padrões do ciclo de vida familiar sofreram mudanças bastantes drásticas em relação as gerações passadas .
Observamos um índice de natalidade menor, uma expectativa de vida mais longa, mudança do papel feminino e do crescente índice de divórcio e recasamento.
Antigamente a criação dos filhos ocupava os adultos por todo o seu período de vida ativa .
Atualmente ocupa menos da metade do período de vida adulta que antecede a terceira idade.
A mudança do papel feminino nas famílias é central nas modificações dos padrões de ciclo de vida familiar.
A identidade feminina era determinada primariamente por suas funções familiares como mãe e esposa.
As fases no ciclo de vida estavam ligadas quase que exclusivamente aos seus estágios nas atividades de criação dos filhos.
Por outro lado , o estágio do ciclo de vida dos homens era quase , que determinado pela única variável – sua idade cronológica.

Família e Transições no Ciclo de Vida
Maria Ignez Vianello de Mello
O conceito do ciclo de vida familiar foi tirado da sociologia e envolve a noção de que ao longo do tempo , a família deve atravessar uma série de estágios previstos, separados por transições previsíveis.
Cada estágio será marcado por alguma mudança em algum membro da família (nascimento, morte, saída de casa etc ).
A família é a única forma de organização que incorpora novos membros apenas pelo nascimento, adoção ou casamento, e os membros só deixam de existir para esta organização através da morte de algum de seus membros, mesmo assim existirá na lembrança , na história da família .
Apesar das famílias possuírem papéis e funções diferentes , consideramos como seu principal valor os relacionamentos, que são insubstituíveis.
Se um dos progenitores for embora ou morrer, uma outra pessoa poderá preencher uma função paterna/materna, mas jamais substituíra o progenitor em seus aspectos emocionais.
As famílias desenvolvem-se de muitas maneiras , mas é importante lembrar que seus membros individuais estão também constantemente se desenvolvendo, biológica e psicologicamente, e essas áreas de desenvolvimento são afetadas e afetam o desenvolvimento da família .
O desenvolvimento adequado em todos os níveis é definido por valores e crenças sociais, que proporcionam as normas por meio das quais as famílias criam os filhos.
Os indivíduos desenvolvem-se e os relacionamentos florescem.
Podemos começar a falar que os padrões do ciclo de vida familiar sofreram mudanças bastantes drásticas em relação as gerações passadas .
Observamos um índice de natalidade menor, uma expectativa de vida mais longa, mudança do papel feminino e do crescente índice de divórcio e recasamento.
Antigamente a criação dos filhos ocupava os adultos por todo o seu período de vida ativa .
Atualmente ocupa menos da metade do período de vida adulta que antecede a terceira idade.
A mudança do papel feminino nas famílias é central nas modificações dos padrões de ciclo de vida familiar.
A identidade feminina era determinada primariamente por suas funções familiares como mãe e esposa.
As fases no ciclo de vida estavam ligadas quase que exclusivamente aos seus estágios nas atividades de criação dos filhos.
Por outro lado , o estágio do ciclo de vida dos homens era quase , que determinado pela única variável – sua idade cronológica. 

A face do tradicional ciclo de vida familiar que existiu e persistiu durante séculos, não serve mais , pois não corresponde a realidade.
A presente geração de mulheres jovens é a primeira na história em insistir em seu direito à primeira fase do ciclo de vida familiar – a fase em que o jovem adulto deixa a casa dos pais, estabelece objetivos de vida pessoal e começa uma carreira .
Afastamo-nos de uma descrição tradicional do ciclo de vida familiar como começando no namoro ou no casamento e terminando na morte de um dos cônjuges.
Podemos considerar como, seis os estágios de ciclo de vida familiar : O primeiro é o “lançamento do jovem adulto solteiro ” .
A fase do jovem adulto é um marco , que requer que o jovem adulto se separe da família de origem sem romper relações ou fugir reativamente para um refúgio emocional substituto.
Quanto mais satisfatoriamente puderem se diferenciar emocionalmente da família de origem , melhores serão as chances de enfrentarem os ciclos de vida em sua nova família .
É a chance de escolherem emocionalmente aquilo que levarão da família de origem, aquilo que deixarão para trás e aquilo que irão construir sozinhos .
O segundo é a “União das famílias no casamento: o casal “.
Na mudança de nossa cultura atual ; onde o papel feminino mudou, é frequente o casamento de parceiros de meios culturais diferentes .
As grandes distâncias físicas entre os membros da família, acabam colocando uma carga maior nos casais – no sentido de definirem seu próprio relacionamento .
O casamento tende a ser erroneamente compreendido como uma união de dois indivíduos – o que realmente ocorre é a modificação de duas famílias e o desenvolvimento de uma terceira.
Neste momento é importante , que fronteiras sejam definidas , para proteger este casal ajudando-os a estabelecer novos padrões de comunicação com as famílias de origem.
Terceiro “Tornando-se Pais :Famílias com filhos pequenos” .
É neste estágio que os jovens adultos ,de maneira definitiva, assumirão o compromisso de aprenderem a ser pai ou mãe , pois é mitológico pensar que se sabe ser mãe ou pai a partir do nascimento da “cria”.
Quando estes adultos não conseguem sair do papel de filhos , problemas podem surgir, tais como : brigas entre o casal em assumir responsabilidades, recusa/incapacidade de comportar-se como pais – na medida que não conseguem exercer autoridade e colocar limites ,ou ainda não conseguem a paciência necessária para permitir que seus filhos se expressem adequadamente.
Quando os dois pais trabalham , a briga muitas vezes centraliza-se quanto à disposição das responsabilidades ; cuidados com à criança, a divisão com as tarefas domésticas etc.
Nesta fase é freqüente queixas de disfunção sexual e depressão.
Esta é a fase do ciclo de vida familiar que possuí o índice mais elevado de divórcio .
No quarto estágio , “A Transformação do Sistema Familiar na adolescência “, tanto os papéis dos pais como dos filhos sofrerão mudanças.
As famílias neste momento necessitam estabelecer fronteiras qualitativamente diferentes das famílias com filhos mais jovens .
Os pais não podem e nem conseguirão impor uma autoridade completa ; os adolescentes trazem para dentro da família todo um cortejo de amigos , novos valores – começam estabelecer seus próprios relacionamentos, há uma identificação com seus pares.
O grupo permite ao adolescente se reconhecer como tal e estabelecer sua identidade nesta fase .
É importante ajustes especiais entre pais , filhos e avós para permitir e estimular esses novos relacionamentos.
Na vida conjugal é o momento para a “crise do meio da vida”, de um ou de ambos os cônjuges, questões existenciais emergem com bastante força – as satisfações e insatisfações pessoais, profissionais e conjugais.
É o momento do casal renegociar o casamento, e não é raro chegar ao divórcio .
O quinto estágio encontra as famílias no meio da vida , ” Lançando os filhos e seguindo em frente “.
Tradicionalmente a maioria das famílias ficava ocupada com a criação dos filhos durante toda a sua vida adulta até a velhice , porém na atualidade, os pais lançam seus filhos quase vinte anos antes de se aposentar , devendo então encontrar outras atividades na vida além da paternidade/maternidade.
É um momento de grande desafio , os pais não apenas precisam lidar com a mudança de seu status, conforme vai nascendo uma nova geração e vão se tornando avós, como também precisam aprender a lidar com os próprios pais que estão envelhecendo e muitas vezes ficando dependentes, dando especialmente às mulheres, consideráveis responsabilidades.
Novamente o casal deverá se reestruturar e maneiras adequadas deverão ser encontradas , afinal pode ser um momento de liberação.
As responsabilidades financeiras poderão estar mais leves e objetivos novos poderão ser visualizados , como novas carreiras, viagens etc.

Enfim este momento dependerá da fluidez e flexibilidade que a família vêm se desenvolvendo em outros estágios , para alguns será um momento de expansão para a exploração de novos papéis, enquanto outros poderão viver como algo devastador , de rompimento , ao sentimento de vazio , depressão e desintegração.
O sexto é “A Família no estágio tardio da vida “.
Aqui deverão ocorrer ajustamentos à aposentadoria , que muitas vezes além do óbvio vazio para o aposentado , poderá trazer uma tensão especial a um casamento que até então foi considerado equilibrado em esferas diferentes .
A insegurança e a dependência financeira são dificuldades , especialmente à aqueles que dão valor a administrar as coisas sozinhos .
Nesta fase perdas são previsíveis, porém a perda de um cônjuge é o ajustamento mais difícil , reorganizar toda uma vida sozinho , e ainda, ter menos relacionamentos para ajudar a substituir o que foi perdido .
Infelizmente a velhice é totalmente desvalorizada em nossa cultura , assim fica difícil para todos este momento, os membros da geração do meio muitas vezes não sabem como fazer a modificação adequada no status relacional com seus pais.
Apresentamos os diferentes estágios do ciclo de vida familiar , sem a pretensão de que o assunto tenha sido explorado em sua totalidade .
Este artigo deve ser lido e compreendido como apenas um dos muitos enfoques que a complexa organização familiar pode ser refletida .
O importante é perceber que qual seja o estágio em que a família se encontre , seus membros sempre serão desafiados quanto a flexibilidade para novos ajustes e adaptações , que permitam a família percorrer o ciclo de forma mais adequada e saudável para todos.

 

 

 

Avalie este post