Maçãs salientes, queixo pontudo, lábios com volume idêntico: como é o tratamento mais adotado por celebridades para atenuar os sinais de envelhecimento.

No passado, ter um rosto perfeito exigia um DNA privilegiado ou a ação de um bisturi talentoso. Isso mudou. O código genético ainda tem seu papel, mas agora é o profissional especializado em harmonização facial que vem ganhando espaço como realizador de sonhos.

A oferta é mais do que tentadora — procedimentos não invasivos que deixam cada cantinho do rosto em perfeito equilíbrio. Em seu conjunto, o cardápio de opções apresenta-se sob uma expressão sedutora: harmonização facial. Esse novo ideal cosmético consiste basicamente no uso da toxina botulínica e do ácido hialurônico para aumentar o volume dos lábios, levantar as sobrancelhas, deixar os maxilares protuberantes, atenuar a perda de volume das maçãs, preencher o bigode chinês e arrebitar o nariz. A promessa é proporcionar uma face mais jovem e, claro, harmônica.

Entre as intervenções mais desejadas, o volume nos lábios é o campeão de pedidos nos consultórios. Na casa dos 30, quase 40 anos, beldades como Cleo Pires e Gisele Bündchen já recorreram à técnica. Será que, de fato, era necessário? Por que mulheres tão bonitas acham que precisam de retoques? Uma das explicações, sem dúvida, é a proliferação das redes sociais. A exposição contínua no Facebook, Instagram e afins exige de pessoas que vivem da própria imagem um apuro estético permanente, a necessidade de parecerem sempre belas. Como, na era das selfies, elas são referência para suas seguidoras, tal prática acaba ganhando um impulso ainda maior. A rede social nos deixa mais expostos. Daí a preocupação em tornar essa imagem melhor.